Jardim

No Jardim dá-se à estruturação artística da sala o mesmo valor que no Maternal.
 
Oferece-se uma maior variedade de brinquedos, incluindo os de tamanhos menores como, por exemplo, bolinhas de gude, sementes, conchas e pedras pequenas.
 
No pátio, além do descrito acima, há balanços, troncos de vários tamanhos para neles subir, equilibrar e pular.
 
Bolas grandes de borracha e pernas de pau indispensáveis ao desenvolvimento do equilíbrio, das reações rápidas de destreza, da motricidade grossa, também estão presentes.
 
Na sala há mesas grandes que podem ser unidas para dar possibilidade a todas as crianças de se sentarem a uma única mesa.
 
A vivência do todo, do social, é importante, por exemplo, nas refeições ou em determinadas atividades.
 
A sala se compõe também de pequenos ambientes, como o “quarto de bonecas” ou a “vendinha”, onde há cestas de vários tamanhos com sementes, conchas, pedras, toquinhos, mas também cestas grandes com pinhas eliote, lã de carneiro não desfiada e galhos cortados em pedaços de vários formatos e tamanhos, transformados em diferentes brinquedos, conforme a imaginação de cada criança.
 
Há vários cavaletes de múltiplos usos, mas usados principalmente para construir cabanas com panos grandes de várias cores, que também são usados como capas, saias e outras fantasias.
 
As atividades diárias têm um horário definido, assim como as atividades semanais têm seu dia certo para acontecer.
 
Há o horário para brincar dentro da sala e outro para brincar fora, no pátio.Há o momento da “parte rítmica” quando o educador fala sobre as coisas do mundo, expressando-as em forma de gestos, de ciranda e dramatizações.
 
As crianças imitam os gestos dos animais, das plantas, do pedreiro, do sapateiro etc., e assim aprendem por meio de vivências corporais.
 
Na hora do lanche busca-se o cultivo dos bons hábitos de higiene, nutrição, assim como a socialização, o respeito e a veneração.
 
Geralmente o dia termina com um conto de fadas, uma história, apresentação de teatro de bonecos ou brincadeira de dedos.
 
Outras atividades que as crianças fazem junto ou por imitação do educador são: cuidar do jardim, ajudar no preparo do lanche (cortando frutas ou legumes), amassar e fazer pão, bolacha ou bolo, lavar a louça do lanche, lavar a roupa das bonecas e os panos, costurar, bordar, desenhar com giz de cera, pintar com aquarela, modelar com cera de abelha e outros trabalhos manuais.
 
No jardim são agrupadas crianças com idades entre três e seis anos porque o ambiente e as atividades que são desenvolvidas atendem a todas as idades, uma vez que a proposta da pedagogia Waldorf para o primeiro setênio é criar um ambiente propício para a formação, e não uma pré-escola com informações ou ensino formal.
 
O Jardim, como o Maternal, é o prolongamento do lar e não uma “ante-sala” do ensino escolar.
 
Assim como numa família os irmãos de idades diferentes educam-se mutuamente, também as crianças do jardim, em grupos de idades mistas, têm a mesma oportunidade.
 
A prontidão de uma criança para entrar no primeiro ano depende principalmente do domínio e maturidade da organização corpórea.